Blog Na Grade do MMA

Fedor mostra em 1min24 contra Rizzo que não precisaria se aposentar, mas se aposenta

Jorge Corrêa

Pedro Rizzo e Fedor Emelianenko

***POST ATUALIZADO***

Um dos maiores lutadores de MMA de todo os tempos, Fedor Emelianenko poderia ter adiado sua aposentadoria nesta quinta-feira. O russo precisou de apenas 1min24 para nocautear de forma fulminante o brasileiro Pedro Rizzo e mostrou ao mundo que não teria de deixar os ringues, mas não foi o que aconteceu.

>> Siga o blog no Twitter: @NaGradedoMMA
>> Leia todas as notícias de lutas no UOL Esporte

Depois de uma grande atuação contra ex-lutador do UFC, a lenda do esporte anunciou que está deixando o MMA, principalmente por conta de sua família.

“Chegou a hora de parar. Estou me aposentando do MMA. Ainda tenho o Mundial de sambô, mas minha família é a razão de eu não lutar de novo. Minhas filhas estão crescendo sem um pai presente, então é a hora certa pde sair. Nem oferta fantástica poderia me fazer mudar de ideia'', afirmou o lutador.

Dentro do ringue - Rizzo até tentou se movimentar mais nos primeiros segundos, arriscou alguns jabs, mas nada mais que isso. Já Fedor partiu para cima com seus famosos cruzados e dois pegaram de raspão. Mas no terceiro golpe mais contundente, veio um direto certeiro que derrubou o Pedro já nocauteado. O russo ainda acertou mais alguns golpes no chão antes de o juiz parar o combate.

Está certo que o brasileiro, aos 38 anos, não era um dos adversários mais duros que Fedor poderia ter pela frente, e que ele nem deve sonhar com voos muitos altos, como o de lutar no UFC. No entanto, Emelianenko mostrou que ainda poderia ter alguns anos pela frente em eventos menores. Os fãs de MMA vão sentir saudade.

Dentre suas principais conquistas, Fedor ficou com o cinturão do GP dos pesados dos extinto evento japonês Pride e depois defendeu o título por duas vezes. Esteve invicto em 12 lutas que fez no torneio e ficou dez anos sem perder um combate. Na reta final de carreira, teve uma sequência de três derrotas no Strikeforce, para Fabrício Werdum, Antonio Pezão e Dan Henderson.