Blog Na Grade do MMA

Belfort coloca MMA à frente do futebol no Brasil e repreende provocações entre lutadores do UFC

Jorge Corrêa

Um dos mais experientes lutadores e com mais história no UFC, Vitor Belfort assumiu de vez o cargo de embaixador do MMA por aqui e, até por isso, é um dos principais convidados para encontros e debates sobre o esporte. No último domingo ele mais uma vez estava lá, sempre com seu estilo enfático de oratória, quase beirando a pregação.

>> Siga o blog no Twitter: @NaGradedoMMA
>> Leia todas as notícias de lutas no UOL Esporte

Durante mesa redonda na feira Brazil Sports Show, realizada em São Paulo, o peso médio do UFC levantou mais do que nunca a bola do MMA em relação do futebol. Para ele, as artes marciais mistas já superaram o esporte trazido para cá por Charles Miller, pelo menos em relação ao apelo para maior número de pessoas ao mesmo tempo.

“Quando você torce para um time de futebol, você aprende a odiar a outra equipe, seu rival. Na final da Libertadores, realmente achei que os brasileiros torceriam para o Corinthians, mas não aconteceu. O pessoal até torce contra a seleção brasileira, quando quer que um técnico saia.''

“No UFC, isso não acontece, é um país inteiro torcendo por aqueles caras. Todo mundo para para ver uma luta do Anderson, do Wanderlei, do Minotauro, minha. É como se fosse uma Copa do Mundo a cada um ou dois meses. E temos cada vez mais lutadores com esse apelo.''

Apesar de ter trocado algumas farpas com Wanderlei Silva durante as gravações do reality show The Ultimate Fighter Brasil, Vitor também atacou duramente o trash talk, a provocação entre lutadores. Para ele, não há promoção que valha o mal exemplo que está sendo dado.

“O que você fala, depois você colhe. É muito fácil falar, falar, e depois pagar de bonzinho, fingir que nada existiu. Quero ver ser homem de manter tudo que fala. Queria ver o que aconteceria com o Chael Sonnen se ele aparecesse aqui na hora. Tudo o que você fala tem seu preço.''

“Não faço isso porque sou um exemplo para as milhares que crianças que gostam desse esporte e estão começando a acompanhá-lo. Esses caras não têm ideia do que fazem quando falam essas bobagens. Não tem essa de estar promovendo a luta. Se você não gosta de mim, é problema seu, não meu, então não venha falar que quer vender o combate falando qualquer coisa.''