Blog Na Grade do MMA

Derrota épica dá a Shogun 1º lugar na fila por cinturão – Ele vai aproveitar ou dar a vez a Lyoto?

Jorge Corrêa

No início dos anos 2000, o curitibano Maurício Shogun foi apontado como uma das maiores revelações do MMA com suas atuações e cinturões no Pride. Mas quando foi para o UFC, passou a alternar altos – que incluem um cinturão – e baixos. Mas o Ultimate não desiste dele. Dana avisou que ele pode ter mais uma chance de disputar o título do evento.

>> Siga o blog no Twitter: @NaGradedoMMA
>> Leia todas as notícias de lutas no UOL Esporte

O presidente anunciou que se ele vencer e convencer contra Brandon Vera, na luta principal do UFC on Fox 4 em 4 de agosto, poderá enfrentar o dono do cinturão – seja ele o atual campeão Jon Jones ou Dan Henderson, que se enfrentam no UFC 151 em setembro.

Mas como ele conseguiu essa chance vindo de uma derrota e tendo sido atropelado por Jon Jones em março de 2011, quando perdeu o cinturão do UFC?

O primeiro motivo é a falta de opções. Depois de conquistar o título, Jon Jones encerra a fila de principais desafiantes dos meio-pesados com Dan Henderson. Já passou por Shogun, Rampage, Lyoto e Rashad. Com nenhuma grande novidade na categoria, chegou a hora de a fila recomeçar.

O segundo é que, apesar de vir de uma derrota… foi A derrota. Depois de vencer Forrest Griffin no UFC Rio 1, Shogun vem da épica luta contra Dan Henderson, no final do ano passado. Depois de apanhar muito no primeiro e segundo round, equilibrar no terceiro, e virar no quarto e quinto. Acabou derrotado, mas saiu em alta do octógono por essa reviravolta.

Mas a grande dúvida agora é saber se ele aproveitará essa chance, se vai chegar focado e bem preparado. Pois ele terá seu principal rival por essa vaga no mesmo evento. No mesmo anúncio, Dana White explicou que se Shogun perder ou tiver uma atuação pouco satisfatória, o vencedor de Lyoto Machida e Ryan Bader ficará com o title shot.

Essa deve ser a oportunidade final de Shogun retomar o cinturão do UFC. Mais que isso, deve ser a chance final de que pode ser levado a sério no restante de sua carreira. O desafio para isso não é dos maiores, Brandon Vera está longe de ser dos mais qualificados rivais. Mas ter seus adversários no encalço pode pesar.
*****