Blog Na Grade do MMA

Arquivo : anderson silva

Podcast #46 – Quem GSP pode enfrentar na sua volta ao UFC
Comentários Comente

Jorge Corrêa e Maurício Dehò


O que muitos esperaram por anos, finalmente aconteceu. Vendo o astro canadense ser sondado por outro evento, Dana White conseguiu fechar um novo contrato com Georges St-Pierre, que fechou com o UFC por mais três anos e deve retornar ao octógono no segundo semestre.

O tema do programa desta semana é quem deve ser o primeiro adversário do ex-campeão dos meio-médios em sua volta ao Ultimate. Passamos por nomes como Anderson Silva, Nick Diaz, Michael Bisping e até Conor McGregor.

Também conversamos com a revelação brasileira dos meio-médios Vicente Luque, que vem de quatro vitórias consecutivas no UFC. Ele enfrenta Leon Edward no UFC em Londres, em março.

Lembrando que você pode ouvir ou baixar para escutar na hora que quiser o programa pelo iTunesBasta entrar aqui. E não esqueça de assinar o canal, assim você nunca perderá um episódio.

Se você tem um aparelho com Android, pode usar qualquer aplicativo de podcast se inscrevendo com nosso XML: https://www3.uol.com.br/feed/podcast/na-grade-mma.xml


Podcast #45 – O que podemos esperar de Anderson daqui para frente
Comentários Comente

Jorge Corrêa e Maurício Dehò


Luta parelha, polêmica, emocionante, com lágrimas. Um combate de Anderson Silva nunca passa despercebido pelo grande público. E foi exatamente o que aconteceu no último sábado, quando ele bateu Derek Brunson por pontos, conseguindo sua primeira vitória em mais de quatro anos.

No programa desta semana, analisamos a atuação do Spider, mas, principalmente, falamos sobre os próximos passos do ex-campeão dos médios no UFC. Ainda explicamos por que Ronaldo Jacaré foi um dos grandes vencedores deste UFC 208, no Brooklyn.

Lembrando que você pode ouvir ou baixar para escutar na hora que quiser o programa pelo iTunesBasta entrar aqui. E não esqueça de assinar o canal, assim você nunca perderá um episódio.

Se você tem um aparelho com Android, pode usar qualquer aplicativo de podcast se inscrevendo com nosso XML: https://www3.uol.com.br/feed/podcast/na-grade-mma.xml


Polêmica em vitória abafa melhora de Anderson e ajuda Jacaré pelo cinturão
Comentários Comente

Jorge Corrêa


Admito que não entendi direito a quantidade de ataques que sofri no último post, quando disse que Anderson Silva precisou de uma ajudinha dos juízes de cadeira para sair com a vitória sobre Derek Brunson no UFC 208. Em momento algum eu quis desmerecer o primeiro resultado positivo do brasileiro depois de mais de quatro anos. Apenas discordei do resultado.

mediaMais que isso, não foi apenas eu que discordei. MUITA gente descordou. Dana White discordou, Daniel Cormier – comentarista do combate – discordou. Quase todos os lutadores que opinaram nas redes sociais discordaram. Veja na imagem ao lado. É do site “MMA Decisions”, onde grandes sites e jornalistas especializados de MMA colocam sua pontuação das principais lutas do UFC. De 23 especialistas, apenas quatro viram vitória do brasileiro.

Pois bem. Toda essa polêmica acabou por abafar bons momento do ex-campeão dos médios contra o norte-americano. Muita gente viu, sim, a derrota do Spider, mas precisamos também analisar seus pontos positivos no combate.

O principal é a melhora na resistência do seu queixo. Um ano atrás, quando enfrentou Michael Bisping, foi assustador ver Anderson tomar dois knockdowns de um cara que é famoso pela falta de potências de seus golpes. Contra Brunson, a maioria golpes que sofreu foram na cabeça e no queixo, principalmente quando estava clinchado com o rival. Não balançou em momento algum.

Nos dois primeiros rounds, Silva também mostrou estar com um bom ritmo de luta. Ele conseguiu dominar o centro do octógono e fez Derek correr em diversos momentos. O problema é que ele não conversou esse domínio espacial em golpes contundentes. O que faltou foi gás no final do combate.

Essa vitória deu um alento à carreira e ao legado daquele que é apontado como o maior lutador que já passou pelo UFC. Devemos ter mais Anderson Silva nos próximos anos, lembrando que em abril deste ano ele completa 42 primaveras.

Mas teve alguém que pôde comemorar toda essa polêmica.

O grande vencedor entre os brasileiros que estiveram no card foi Ronaldo Jacaré. O capixaba teve mais uma atuação de gala, agora contra Tim Boetch. Como se enfrentasse um novato, tirou o norte-americano para nada. Até esboçou uma trocação, mas na primeira oportunidade, levou a luta para o chão e finalizou com uma Kimura impecável.

Jacaré já estava com um pé na disputa de cinturão dos pesos médios, que está parada com a lesão do campeão Michael Bisping. Mas ele ganhou uma mão com a atuação polêmica de Anderson. Isso porque existia uma pulga atrás da orelha de que o Spider poderia furar a fila, pois ele vem pedindo uma revanche contra o atual campeão depois da derrota – também polêmica – no ano passado.

Como Silva não teve uma atuação digna de title shot, dificilmente o UFC passará Jacaré para trás mais uma vez. Mas como o próprio Ronaldo falou, quanto mais demorarem para coloca-lo na disputa de cinturão, pior será para os rivais, porque ele vai ficar cada vez melhor.


Anderson manda recado para fãs: “Ajeite, bata, apanhe mas nunca desista”
Comentários Comente

Jorge Corrêa


Horas depois de conseguir uma dura, polêmica, mas importante vitória por pontos sobre Derek Brunson no UFC 208 no último sábado, no Brooklyn, Anderson Silva usou suas redes sociais para mandar um recado para os fãs. De tudo que ele disse e está transcrito abaixo, acho que a principal lição que fica é: dificilmente ele vai parar em um futuro próximo.

O Spider deixou claro que, por amor ao esporte, deve continuar lutando no UFC por mais tempo, lembrando que em abril ele completa 42 anos. Confira abaixo a mensagem do ex-campeão dos médios:

“Meu povo, meu Brasil, meus fãs do mundo todo. Hoje é mais um dia daqueles que você acorda com tudo dolorido, com o corpo parecendo que foi todo amassado, mas feliz por ter dado mais uma vez alegria e o prazer de torcer para os brasileiros e fãs de todo o mundo. A verdade é que sempre tentamos dar o nosso melhor, na hora da luta, nem sempre dá tudo certo, mas treinamos duro para fazer o espetáculo pra vocês. Com toda a energia que tenho no meu coração. repleto de alegria, felicidade e satisfação, tentando proporcionar alegria a todos. Independente de muitos criticarem sem ter o mínimo de conhecimento do que sofremos pra subir lá, minha satisfação continua e minha alegria também, pois tenho a certeza que cada vez que termina uma luta, fiz de coração, fico feliz pois 1 – faço isso porque amo, 2 – por mim e pela minha família e 3 – para aqueles que nosso trabalho faz diferença e podem ter certeza meu povo, tenho um grande orgulho de ser brasileiro.
.
O que corre nas minhas veias hoje, é a vontade de ser mais feliz. Quando estou lutando, deixo o menino que cresceu num bairro pobre ser feliz plenamente e com muito orgulho que represento não só meus fãs pelo mundo, mas por onde luto, as cores verde e amarela do meu Brasil.
.
Não nasceu para se manter fora do pódio? Ajeite, bata, apanhe mais nunca desista.
.
Obrigado BRASIL 🇧🇷 e todos os meus fãs pelo mundo 🌎

Pouco depois, Anderson Silva seguiu seu discurso durante uma transmissão ao vivo no Instagram:

Acho que sem vocês essa vitória não teria acontecido. To com roxo pelo corpo todo, normal, mas to feliz. Muito gratificante ter o carinho e torcida de vocês. Ontem vocês fizeram a diferença quando estava lá em cima. Amo todos vocês de verdade. A gente rala muito para fazer o melhor para vocês. Espero que todos estejam bem. Estou voltando para casa daqui a pouco.

Todo mundo já está partindo. Eu volto pra Los Angeles. Meus eternos agradecimentos. Daqui a pouco eu estou de volta. A equipe toda ai, beijo grande. Sou muito grato ao mestre Dellariva, deixando minha guarda quase intransponível ai. Mas vou melhorar, estou levando umas duras dele para melhorar, atacar mais. Vou melhorar.


UFC 208: Anderson vive ultimato por legado após mais de 4 anos sem vencer
Comentários Comente

Jorge Corrêa

Vai demorar muito tempo até que alguém pense em MMA brasileiro sem vir a mente o nome de Anderson Silva. Considerado por muitos o maior lutador da história do UFC, o brasileiro tem mais uma chance de defender seu legado neste sábado, no UFC 208, contra o norte-americano Derek Brunson, no Brooklyn (NY).

Mais que uma nova chance, é praticamente um ultimato para que ele reacenda sua história e tente diluir as manchas deixadas nos últimos anos. Dono do recorde de vitórias consecutivas (16) e de defesas seguidas de cinturão (10), o ex-campeão dos médios não sabe o que é uma vitória há mais de quatro anos.

A última vez que teve seu braço erguido pelo juiz central foi em outubro de 2012, no UFC Rio, depois de nocautear Stephan Bonnar. Desde então, perdeu duas vezes para Chris Weidman, com direito a uma chocante fratura, envolveu-se em um polêmico caso de múltiplos flagrantes de doping, foi derrotado por Michael Bisping e fez bonito no UFC 200, apesar de ter perdido para Daniel Cormier.

“Não estou vivendo uma fase conturbada… Cada um tem sua história e tem a oportunidade de escrever sua história. Estou escrevendo a minha e não tem como comparar nenhum atleta ou lutador do UFC. Cada um tem a sua história e o seu objetivo”, afirmou o brasileiro durante a última semana.

Apesar dos 41 anos e da sequência de resultados negativos, Anderson Silva não faz nenhuma menção a aposentadoria. E ainda tem muitas lutas em seu contrato com o Ultimate. Ele somente deve apostar em outras áreas enquanto se diverte lutando. Spider se arrisca como ator, roteirista e até apresentador. “”Meu primeiro plano é voltar para casa e ver minha esposa e filhos. Voltar para escola de ator e esperar meu próximo desafio.”

Mas é como atleta que continua sendo reconhecido por tudo que fez. Como bem disse Dana White, Anderson é o “Tom Brady do UFC”. “Quando as pessoas falam que o Anderson Silva é o melhor da história, eu fico um pouco assustado, mas feliz. Acho que não sou eu, é o meu time e o meu coração. Coloco meu coração nos treinos para fazer o melhor sempre”, explicou o veterano.

Brasil em peso

Não será apenas o Spider a representar o país no UFC 208 neste sábado. Ainda esperando um chance de disputar o cinturão dos pesos médios, Ronaldo Jacaré arrisca sua posição contra Tim Boetch. Ainda no card principal, o ex-desafiante pelo título dos meio-pesados Glover Teixeira tenta se reencontrar com as vitórias contra Jared Cannonier.

Já no card preliminar, o peso mosca Wilson Reis terá pela frente o japonês Ulka Sasaki, enquanto o veterano Roan Jucão enfrenta Ryan LaFlare, abrindo o evento.

Cinturão inédito

Na luta principal da noite, uma disputa de título que acontece pela primeira vez no UFC. Na estreia da categoria peso pena feminina, Holly Holm – que vem de duas derrotas – enfrentar a holandesa Germaine de Randamie. Mas vamos combinar que esse cinturão é praticamente interino. Ele só vai valer de verdade quando Cris Cyborg estiver na disputa.

Serviço

O UFC 208 terá transmissão completa e ao vivo apenas pelo canal em pay-per-view Combate a partir das 21h30 (de Brasília). A TV Globo transmite as últimas quatro lutas do card com 30 minutos de atraso. O amigo internauta também pode acompanhar todos os lances pelo Placar UOL Esporte.

CARD PRINCIPAL (1h):
Holly Holm x Germaine De Randamie
Anderson Silva x Derek Brunson
Ronaldo Jacaré x Tim Boestch
Glover Teixeira x Jared Cannonier
Dustin Poirier x Jim Miller

CARD PRELIMINAR (21h30)
Randy Brown x Belal Muhammad
Wilson Reis x Yuta Sasaki
Nik Lentz x Islam Makhachev
Ian McCall x Jarred Brooks
Rick Glenn x Phillipe Nover
Ryan LaFlare x Roan Jucão


Podcast #35 – Estreia em NY e os rumos do UFC com os novos donos
Comentários Comente

Jorge Corrêa e Maurício Dehò


O UFC finalmente chega a Nova York neste fim de semana, para um histórico evento no Madison Square Garden e, claro, esse é um dos temas deste programa. Mas também temos uma participação especial.

O empresário Hebert Mota, que foi agente de Anderson Silva por muitos anos, falou muito sobre a relação com o ex-campeão dos médios do Ultimate, sobre os rumos que o Ultimate deve tomar com os novos donos da WME-IMG.

Ainda debatemos o status de Conor McGregor, que fará a luta principal do UFC NY contra Eddie Alvarez, valendo o cinturão dos leves.

Lembrando que agora você pode ouvir ou baixar para escutar na hora que quiser o programa pelo iTunesBasta entrar aquiE não esqueça de assinar o canal, assim você nunca perderá um episódio.


Dana White rebate Anderson Silva: “Nunca foi maltratado no UFC”
Comentários Comente

Jorge Corrêa

Uma semana depois de uma entrevista bombástica que o amigo Guilherme Dorini publicou aqui no UOL Esporte, finalmente alguém do UFC se pronunciou sobre as duras críticas que Anderson Silva fez contra o evento. E foi logo Dana White que se posicionou sobre a situação.

Em entrevista ao canal de TV norte-americano Fox Sports 1, o presidente do Ultimate – de maneira irritada – simplesmente refutou a possibilidade de o ex-campeão dos médios ter sido maltratado depois de aceitar a luta contra Daniel Cormier, no UFC 200, com apenas dois dias de antecedência.

Deixa eu te contar uma coisa. Provavelmente há caras que podem vir e falaram que se sentiram maltratados. Mas Anderson Silva não é um deles, certo? Se tem um cara que está longe de ter sido maltratado é ele. Muito longe disso“, afirmou o mandatário.

Na semana passada, Anderson disse que estava se sentindo desrespeitado pelo UFC. “Não recebi nem um ‘muito obrigado’ do Dana (White) ou do Lorenzo (Fertitta) depois da última luta. Claro que fui eu que quis lutar, que aceitei o combate, mas sei do meu valor, da minha importância. Fiquei muito decepcionado com a falta de respeito que o UFC tem tratado os atletas brasileiros. Sou um atleta que levou o esporte ao outro nível. Não recebo, nem recebi, o devido respeito das pessoas. Isso me deixou muito chateado, triste e desapontado com o UFC”, desabafou.

“Não conversei mais com eles e nem com ninguém depois da minha última luta. Até me ofereceram para ficar de stand by para se algo acontecesse com Bisping ou Henderson. Mas mais absurdo ainda foi como isso chegou. Sequer falaram comigo. Meus representantes vieram como ‘pombo-correio’. Não sou de recados. Depois de tudo que fiz ainda tenho que ficar de espera de uma luta que venci? Achei um pouco desagradável.”

Quer receber notícias de MMA de graça pelo Facebook Messenger? CliqueAQUI e siga as instruções.


UFC 200 dá pistas de como será a reta final da carreira de Anderson Silva
Comentários Comente

Jorge Corrêa


Sim, o ex-campeão dos médios completou cinco lutas, ou três anos, sem reencontrar a coluna das vitórias no últimos sábado. Mas então por que Anderson Silva saiu aplaudido e Daniel Cormier, campeão dos meio-pesados, vaiado no último sábado?

A resposta para essa pergunta diz muito sobre como será a reta final de carreira do Spider no UFC. Aos 41 anos, ele deixou claro quais são seus planos daqui para frente ao aceitar, com dois dias de antecedência e sem treinar há dois meses após uma cirurgia, enfrentar um rival mais forte, mais novo, em grande fase, muito bem preparado e com ritmo de luta.

Daqui para frente, Anderson Silva vai se preocupar muito mais com o show, e em dar show, do que necessariamente em se mostrar competitivo em alto nível.

O que isso significa na pratica? Dificilmente – para não dizer impossível – vamos vê-lo fazendo uma nova corrida pelo cinturão que foi seu por quase sete anos e lhe colocou no patamar dos maiores de todos os tempos desse esporte.

Então ele não tem mais vitórias em seu caminho? Pelo contrário. Anderson deixou claro que sua meta agora é voltar para seu peso, se preparar adequadamente e fazer uma luta condizente com sua situação. Até para preservar o mito, o UFC deve pensar muito bem no próximo rival do Spider, de preferencia alguém fora do top 10 da categoria, mas que lhe proporcione algum desafio, como seria Uriah Hall no UFC 198 em Curitiba, se ele não tivesse ficado doente.

Desafio. Essa será a palavra-chave para Silva daqui para frente. Foi exatamente por isso que ele aceitou enfrentar Cormier. Depois de tanto tempo se cansando para defender o peso do ouro do título, agora ele quer por à prova tudo que aprendeu nas artes marciais. Sem compromissos que tirem a atenção do que mais importa para ele, que é lutar.

Ele não precisa mais de dinheiro, ele não precisa mais de fama, nem de cinturão. Ele precisa apenas queimar a lenha que mostrou ainda ter com dignidade. Minha aposta é que ainda vamos ver muitos shows e daremos muitas manchetes para Anderson Silva nos próximos anos. Só que sem o “detalhe” do título.

wa


Mesmo derrotado, Anderson Silva sai vencedor do UFC 200
Comentários Comente

Jorge Corrêa


Completar cinco lutas consecutivas sem vencer e não encontrar a coluna da vitória há três anos está longe de ser o ideal para um lutador que já foi apontado como o maior de todos os tempos. Mas não foi por qualquer coisa que Anderson Silva saiu comemorando – e muito – da luta em que acabou derrotado por pontos por Daniel Cormier no UFC 200.

O brasileiro foi dominado na maior parte do tempo, principalmente no chão, com o wrestling de nível olímpico. Mas vamos aos pontos: ele sobreviveu aos três rounds contra o campeão de uma categoria acima da dele, um cara mais forte (já lutou muito tempo de peso pesado), sem treinar praticamente nada há mais de mês e em uma luta que aceitou com apenas dois dias de antecedência e depois de passar por uma cirurgia na vesícula.

Não ter sido nocauteado ou 100% massacrado por Cormier nessa situação, substituindo Jon Jones, pode ser considerado uma enorme vitória moral para o ex-campeão dos médios. Tanto que ao final do combate, a torcida vaiou o norte-americano e aplaudiu muito o Spider.

Quando conseguiu manter a luta em pé, Anderson ainda deu boas amostras de sua antiga forma técnica. Se apresentou bem na trocação, acertou boas sequências em Daniel e no final do combate, ainda acertou um chute na altura do fígado do rival que balançou o campeão dos meio-pesados.

Talvez o saldo mais positivo seja que Silva mostrou estar com o queixo recuperado. Em sua luta anterior, ele sofreu pelo menos dois knockdowns contra Michael Bisping, que é famoso por não ter as mãos mais pesadas da categoria. Contra Cormier, Anderson levou duros golpes, em pé e no chão, e nem mesmo balançou.

No final, ficou parecendo que se ele tivesse treinado, feito um camp decente – ou qualquer camp, já que ele não fez nenhum – poderia ter alguma chance contra o norte-americano. Agora, ele precisa é voltar para sua categoria e se reencontrar com as vitórias.

wa


Tamanho x Força: As chances de Anderson Silva contra Daniel Cormier
Comentários Comente

Jorge Corrêa

IMG_6626

Como já falei em um post anterior, Anderson Silva foi incrível ao aceitar substituir Jon Jones e enfrentar Daniel Cormier no UFC 200, neste sábado. Mas ele terá a missão mais dura de toda sua carreira. Então, quais são as chances do ex-campeão dos médios vencer o atual dono do cinturão dos meio-pesados? Antigos rivais do norte-americano podem dar pistas.

A melhor chance que Anderson tem é mantendo a distância de Daniel. A maneira é simples – na teoria. O brasileiro é muito mais alto que o adversário. Cormier tem 1,80m de altura e 1,84m de envergadura, contra 1,88m e 1,97m do Spider, respectivamente.

Golpes longos, chutes frontais, diretos serão essenciais, pois tudo que Daniel vai querer é se aproximar. A principal arma de dele é o wrestling, modalidade em que até disputou os Jogos Olímpicos. Cormier é um mestre em se aproximar, grudar, derrubar e trabalhar o ground and pound. E é exatamente isso que ele vai procurar neste combate.

O campeão dos meio-pesados já teve dois tipos de experiência contra caras grandes como Anderson Silva. Contra Jon Jones (1,93m de altura e 2,15m de envergadura), ele não conseguiu impor a força de sua luta olímpica, apesar de ter conseguido derrubar seu arquirrival. Sempre que ele se aproximava, era golpeado e foi minando sua força e sua confiança. É esse caminho que Anderson precisa seguir.

No entanto, Cormier também já mostrou que é capaz de enfrentar caras grandes, como fez contra Alexander Gustafsson (1,96m de altura e 2,01m de envergadura). Ao invés de tentar abusar do wrestling como fez com Jon Jones, ele resolveu usar a mesma arma do sueco, a trocação. Daniel partiu para porrada para aproveitar sua segunda grande arma, o peso de sua mão.

Esse é outro pronto que Anderson tem de evitar. O Spider precisa estar com sua esquiva e seu queixo em dia. Afinal, vai enfrentar um meio-pesado (uma categoria acima da sua original) que já lutou muito tempo como peso pesado. É um cara com mãos poderosíssimas para sua atual categoria, com muito mais força que Anderson está acostumado a enfrentar nos médios.

O problema é que contra Michael Bisping o brasileiro mostrou que não está mais tão resistente a golpes. Contra o inglês, em fevereiro, ele sofreu dois knock-downs contra um cara que é famoso por não ter tanta potência nos golpes.

O resumo é: para ter alguma chance contra Daniel Cormier, ele precisa usar seu tamanho contra a força do adversário. Mais que isso, precisa ser técnico como em suas fases áureas. Se tirar algum dos seus golpes geniais da cartola, pode chocar o mundo e retomar o posto de maior de todos os tempos.

wa